0
0
0
s2smodern

A mãe de uma menina de seis anos procurou a polícia para denunciar que a filha teve o cabelo cortado à força por grupo de adolescentes durante atividades no Centro de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, um projeto social mantido pela Prefeitura de Pirajuí (58 quilômetros de Bauru) na cidade. A prefeitura alega que o corte de uma mecha de cabelo da criança não passou de uma brincadeira entre os alunos.

Conforme apurado pelo JC, o caso teria ocorrido no dia 30 de agosto, mas só chegou ao conhecimento da polícia no último dia 5. Segundo a versão da mãe, cinco adolescentes levaram sua filha até o banheiro da unidade dizendo que fariam a brincadeira da "loira do banheiro" e passaram a cortar o cabelo dela à força.

A mulher afirma ainda que o único menino do grupo teria desferido tapas no rosto da menina e ameaçado lhe agredir caso ela revelasse o que havia ocorrido para alguém. Procurada pela reportagem, a Polícia Civil confirmou que recebeu a denúncia e disse que irá ouvir os envolvidos para apurar eventual ato infracional.

Por meio da assessoria de comunicação, a Prefeitura de Pirajuí explicou que tudo não passou de uma brincadeira baseada em uma lenda urbana, disse que a criança entregou espontaneamente mecha do seu cabelo aos adolescentes para atrair a "loira do banheiro" e negou que ela tivesse sido vítima de agressão.

"Depois, a menina apareceu com os cabelos totalmente curtos e a mãe reclamando de suposta agressão. Todos foram ouvidos e a mãe foi orientada a ir até o Conselho Tutelar (que também tem todos os registros em folha de escuta). Este processo segue agora formalmente. Deverão ocorrer medidas socioeducativas, inclusive", declarou em nota.

Ainda de acordo com o Executivo, há duas semanas, a direção do projeto fez uma reunião com todos os pais para esclarecer os fatos e as medidas formais tomadas pela entidade municipal.

O PROJETO

O centro de convivência existe há dois anos e atende 160 crianças entre 6 anos e 14 anos e 11 meses no contraturno escolar (80 de manhã e 80 à tarde). A unidade conta com equipe composta por assistente social, instrutores de artesanato e de jogos (xadrez), psicóloga, orientadores sociais, cozinheira, serviços gerais e facilitadores de esportes, dança, estudos religiosos, atletismo e artes (teatro).

Fonte: Lilian Grasiela - www.jcnet.com.br